segunda-feira, junho 19

Alfabetismo em Portugal

As seguintes perguntas de suposta interpretação de um texto saíram num exame de Português:

1.1 A afirmação «Portugal foi verdadeiramente [...] o fim do mundo» (linhas 1 e 2) significa que, nos períodos históricos referidos - Antiguidade e Idade Média -, Portugal era um espaço
A. visto como um lugar terrível e ameaçador.
B. situado num dos limites do mundo conhecido.
C. envolvido permanentemente em desordens.
D. desprovido de quaisquer meios de comunicação.


1.2 A partir do século XV, a abertura de relações, por via marítima, com «diversas e longínquas regiões do mundo» (linha 18)
A. constitui um novo e grave factor de marginalização de Portugal na Europa.
B. deriva da intensificação das comunicações entre Portugal e o resto da Europa.
C. decorre da iniciativa dos grandes centros europeus situados além-Pirenéus.
D. resulta da acção de Portugal, dada a sua situação junto do oceano Atlântico.


1.3 O significado da expressão «não raras vezes» (linha 5) é
A. frequentemente
B. esporadicamente
C. muito raramente.
D. em nenhuma ocasião.


PERGUNTAS BÓNUS:
1. As perguntas acima saíram num exame
A. Do 4º ano.
B. Do 6º ano.
C. Do 9º ano.
D. Do 12º ano.

2. Quem é capaz de responder correctamente às perguntas não-bónus demonstra
A. que sabe ler ao nível da primária e tem um ou outro neurónio a funcionar.
B. que estudou intensamente, tendo inclusive decorado a frase mais longa do Memorial do Convento.
C. proficiência em Português ao nível exigível depois de 12 anos de estudo da disciplina.
D. que sabe copiar.

As respostas, por ordem: BDADA

malta com binóculos

  • Ahah! Realmente as perguntas foram um tanto ou quanto primárias...mas o pior mesmo é que há quem não acerte!

    By Blogger Ana Sanches, at 8:29 da tarde  

  • E ainda pior é que há quem concorde com exames assim! Como disse a professora na rtp 1, parece que não percebem que são tratados como estúpidos.

    PS: No forum, pelo menos um aluno disse que a pergunta 1.3 era dúbia. Oh MY GOD!!!!

    By Blogger Sara, at 9:13 da tarde  

  • Confesso que não percebi a 1.2! Se nesse século andámos a desbravar "mato" para caraças, como é que foi um factor de marginalização? Vendíamos canela que nem uns malucos!
    Eu ainda sou do tempo em que Língua Portuguesa era Vergílio Ferreira e Fernando Pessoa!
    Estou mesmo velho!

    By Blogger JP, at 11:22 da tarde  

  • A resposta para a 1.2 é a D.

    Mas olha que a malta que anda aí a vender canela não é de confiar...

    By Blogger Manuel Câmara, at 11:29 da tarde  

  • Volta Cesário. Estás perdoado. :)

    By Anonymous Nicholas_Stael, at 1:31 da manhã  

  • Não acredito que perguntaram isto... Português foi o exame a que menos liguei quando estava no 12º, até porque não o acho muito revelador de capacidades de um aluno, mas mais dos seus hábitos de leitura e do seu raciocínio linguístico, mas isto é verdadeiramente um absurdo... 12 anos na escola para aprender que "não raras vezes" é frequentemente... Quem não acerta essa, nunca será capaz de entender um poema de Ricardo Reis ou de compreender "Aparição"...

    By Blogger Fixe, at 3:49 da manhã  

  • Pelo menos a média de Português vai subir de certeza!

    By Anonymous Anónimo, at 8:36 da manhã  

  • Amiguinhos o mais grave não é o exame em si. É o que faz com que haja um exame assim. Como já vi que não sabem passo a explicar-vos:
    Este ano quem chumbar no 12ºano tem que voltar para o 10º, porque estes mesmos alunos são os últimos da reforma anterior. Portanto, como não convem que chumbe ninguem, os exames deste ano serão esta coisa absurda. A expectativa aumenta quando pensamos no exame de Matemática

    By Anonymous Anónimo, at 9:40 da manhã  

  • Desculpa mas a tua explicação está errada. As perguntas que aqui foram expostas são do exame 639 que corresponde ao novo programa para Português B. Assim sendo, não se justifica a facilidade das perguntas com o que tu disseste porque o exame é para os alunos da reforma nova. E duvido que, xumbando alguém da reforma antiga, essa pessoa seja obrigada a voltar para o 10º ano, visto que no próximo ano ainda existirão os exames da reforma antiga. Portanto obviamente que os exames não estão a ser feitos para toda a gente passar. Foi uma opção menos feliz para uma escolha múltipla.

    By Blogger Ana Sanches, at 11:34 da manhã  

  • Poderás estar mais bem informada que e teres razao. Mas isto é o que passa do ministério para os professores e, destes para os alunos. Não percebi uma coisa no teu raciocinio:dizes que o exame de portugues B é do novo programa, mas que para o ano ainda há da antiga reforma? em que ficamos? Reafirmo que o que os alunos do secundário sabem é que quem chumbar no 12º salta para o 10º

    By Anonymous Anónimo, at 12:18 da tarde  

  • haverá os exames da antiga reforma (tt o novo programa como o antigo) tal como os exames da nova reforma no próximo ano lectivo!!! Para quem ainda não percebeu: há o antigo ensino secundário (com dois programas distintos, no qual o novo só foi leccionado este ano) e um novo ensino secundário com reformas mais profundas em que os mais avançados estão agora a terminar o 11º.

    By Blogger Sara, at 12:42 da tarde  

  • Exacto, portanto se os alunos sabem que quem chumbar no 12º salta para o 10º, sabem-no mal. Seria um escândalo se as pessoas tivessem que regredir 3 anos por causa de uma reforma. É por estas e por outras que às vezes as reformas com efeitos retroacivos (como Bolonha na FEUNL) fazem mais sentido. Alguém vos anda a informar mal!

    By Blogger Ana Sanches, at 12:55 da tarde  

  • Isto de ter malta informada na equipa é outra coisa x) E assino por baixo, com convicção, o comentário da Ana. Em muitas situações as reformas só fazem sentido se tiverem efeitos retroactivos. A "injustiça" e as "expectativas goradas" são muitas vezes males menores (que podem ser atenuados com regras de transição adequadas) quando comparadas com as confusões que trazem as reformas "que só afectam estes" ou que possue regimes paralelos durante muito tempo.

    By Blogger Tiago Alves, at 1:43 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home