segunda-feira, maio 15

Banho de bola

Scolari teve mais um daqueles discursos que deveriam figurar nos manuais de liderança do professor Pina e Cunha. Sem papas na língua mas num tom neutro e educado, explicou aos atónitos jornalistas (e não só) que nos bastidores ninguém anda a dormir.

Começou por definir-se como "o homem abaixo do Presidente", para marcar a sua posição, fazendo questão de dizer que é segundo a sua filosofia de trabalho que tudo se organiza. Mostrou quem manda na casa e poderia ter acabado ali a declaração, mas Scolari quis dizer mais. Não precisava de o fazer, mas enunciou as relações profissionais que se tecem dentro da organização: os observadores, os relatórios e tudo o mais. Não se esqueceu de referir exemplos concretos (Luisão, Adriano e Paulo Assunção) e de nomear directamente uma boa parte dos seus colaboradores. Ao fazê-lo, deu também destaque a todo o seu trabalho. Referiu enfaticamente a confiança que lhes oferece e fez uma pausa para criar um clímax à volta da expressão "trabalho em equipa". Tocou nas questões sensíveis que precisavam de esclarecimento como o "ir ver todos os jogos" (devido à polémica com o FCP) e o trabalho dos sub-21. Não esqueceu os jogadores, realçando a coesão e reforçando-se, mais uma vez, como o sargentão daquela equipa. Não se foi abaixo aquando das perguntas directas sobre Ricardo Costa, Maniche e Costinha e deu-lhes prova pública de uma confiança inabalável.

São assim que se constroem grupos ganhadores. Tomando decisões e responsabilizando-se por elas, mantendo sempre a credibilidade. Sem vénias aos poderes instalados (quem era o seleccionador português que teria cojones para aquilo?), protegendo e suportando quem de facto é importante: os jogadores, o grupo. Um autêntico banho de bola.

malta com binóculos

  • Também gostei. Espero que agora, a comunicação social não continue a pressionar o grupo com as perguntas dos sempres e recentes fantasmas da selecção. Só faz falta quem lá está.

    By Anonymous kimas, at 9:28 da tarde  

  • A mim continua sem me convencer. Apesar do discurso preparado, do tom grave a da expressão confiante, a mim continua-me a parecer que o sr. Scolari passa mais tempo de férias (ou a representar Portugal em festas), a fazer anúncios e a procurar outro país para representar do que propriamente a trabalhar para a selecção.
    A história do sms que mandou ao treinador dos sub-21 foi mais uma prova do pouco empenho que demonstra, escondido pelo empenho do "grupo" que ele ontem tanto falou.
    É um bom comunicador e sabe como pedir apoio. Mas como treinador/seleccionador deixa muito a desejar.
    Espero que nunca figure num livro de liderança do professor Pina e Cunha. Ou, a figurar, que figure como um claro exemplo da Regra de Peter!

    By Blogger Ana Sanches, at 10:41 da manhã  

  • Ele tem é uma coisa que nós não estávamos habituados que é nao ceder à pressão exterior. É ele que treina com os jogadores e estagia com eles. Ninguém melhor que ele sabe quem está melhor preparado. O que importa o Quaresma ou o Baía jogarem melhor do que os que lá estao, se não transmitem, um bom ambiente, se não estao intruzados etc. etc... (isto sou eu a supor). Ele sabe unir o grupo e protege-lo. Criar de facto uma família, mas isto tudo duma maneira saudável, e não levando meninas para o hotel.
    Quanto à questão de não ir aos jogos, já a explicou muito bem. E dou um exemplo...o Mourinho não vai ver os jogos dos adversários e quando está interessado em algum jogador vai vê-lo no seu respectivos clube. É para isso que existe a equipa por trás.

    By Anonymous kimas, at 4:14 da tarde  

  • E eu contraponho. Quando o Mourinho estava no Porto sabia perfeitamente que nem o Scolari nem ninguém da equipa dele ia ver os jogos que o Porto fazia (ele referiu-o várias vezes) e era no Porto que se encontrava a espinha dorsal da selecção que quase conquistou o título. E de que serve ele falar de exemplos como o Luisão, Adriano ou Paulo Assunção se não são eles que interessam para a selecção portuguesa? Em relação ao exemplo do Mourinho há uma coisa em que eles são diferentes: o Mourinho tem que preparar uma equipa durante quase todo o ano, tem treinos quase todos os dias, tem jogos todas as semanas. Faz sentido que o André Villas Boas faça o trabalho de "scouting" porque o Mourinho não o pode fazer. No entanto, sempre que pode fá-lo. Agora...o Scolari tem poucos meses de trabalho por ano e muito tempo de sobra. Acho que consegue melhor do que assistir ao jogo da Taça. A sua equipa pode ajudá-lo mas não precisa de o levar ao colo.

    By Blogger Ana Sanches, at 6:12 da tarde  

  • devem-se contar pelos dedos de uma mão os jogos que scolari viu no campeonato português.
    quantos aos exemplos são de rir, gostava de saber de um jogador que scolari e sua equipa descobriram, português claro está.
    ser bom treinador também acho duvidoso.
    no euro não foi a estrutura de scolari que atingiu a final, mas sim a espinha de um Porto campeão nacional e vencedor da champions.
    Espero que Pina e Cunha dê o exemplo de scolari para o chamado "gestor paizinho" ou se preferirem paternalista
    abraço

    By Blogger smanel, at 7:41 da tarde  

  • Se consideramos mau treinador quem leva uma selecção ao topo do Mundo e outra à final do Euro, então temos de começar a considerar que as equipas poderiam não ter treinador. Não me parece viável.

    Quanto aos jogos, uma palavra: não tenho nada com isso. (E representar a selecção em festas e outros eventos faz parte do seu trabalho.) Voltando, ele vê os jogos que acha que tem de ver e a equipa ajuda-o (o quanto o levam ao colo é subjectivo..). O que é certo é que Scolari usa a sua filosofia e escolhe quem acha que deve, responsabilizando-se por isso.

    No Euro, por exemplo, mal seria se Scolari tivesse colocado a "estrutura" (que não poderia nunca ser dele, dado ele não ser o treinador do Porto nem de nenhum outro clube..) que chegaria à final no jogo com a Grécia só por os treinadores de bancada (Gabriel Alves? ) os acharem melhores do que os seus escolhidos. Fez o que tinha a fazer e, quando viu que tinha escolhido mal, rapidamente emendou a mão e levou o grupo à final.

    p.s. e já agora sérgio, o paternalista é porquê? Por responsabilizar os colaboradores?

    By Blogger Tiago Alves, at 7:58 da tarde  

  • "ele vê os jogos que acha que tem de ver e a equipa ajuda-o" - a questão é que ele NÃO vê.
    Quando dizes que a estrutura não podia ser dele porque não era ele o treinador dos clubes onde os jogadores estavam acabas por contradizer a primeira frase em que falas dele "levar" a selecção à final do Euro. Não foi ele que levou. Ele quase que fazia asneira ao tentar inventar uma equipa que não era de todo a melhor. Felizmente conseguiu corrigir a tempo. E os jogadores, esses sim levaram a equipa à final. O Scolari foi às festas e pendurou bandeiras (o que também é importante)!

    By Blogger Ana Sanches, at 8:14 da tarde  

  • Facto nº 1: o Sven-Goran Eriksson vê 2 jogos por fim de semana, todas as semanas assiste a treinos de alguma equipa (para conhecer os comportamentos dos seleccionáveis mais pormenorizadamente, dentro dos seus "habitats") e está em contacto directo com todos os treinadores da Premier League para se acercar da situação física e psicológica dos jogadores seleccionáveis. Isto é um bom seleccionador.
    Facto nº 2: O Scolari dá uma grande entrevista em que refere que tem de agradecer ao director da Sporttv o facto de dar tantos jogos portugueses, pois assim não tem que sair de casa (confirma-se a veracidade destas afirmações, pois ele não sai de Lisboa). Qualquer pessoa que perceba minimamente de futebol saberá perfeitamente que ver um jogo na televisão, em termos tácticos, estratégicos e dinâmicos, não tem mesmo nada a ver com assistir aos jogos ao vivo.
    Facto nº3: Na convocatória encontram-se jogadores suplentes (hugo viana, quim, ricardo costa...aqui faço um parêntesis para falar desta provocação...ele chama um suplente do porto para mostrar que manda, mas um lider não tem que exibir a sua liderança...o Pina e Cunha sabe isso, de certeza..), fora da convocatória estão os jogadores mais regulares do campeonato português (quaresma, moutinho) e equipas que fizeram um campeonato reconhecidamente mediano têm mais jogadores que o campeão nacional.
    Facto nº4: Provavelmente, Portugal fará um campeonato melhor que Inglaterra, o que contrapõe tudo o que acabei de dizer.Mas isso vai-se dever ao facto de todas as circulações tácticas e combinações tácticas, tanto da defesa como do meio-campo serem as trabalhadas pelo Mourinho no FCPorto. Aqui reforço a ideia da "equipa do Scolari", que não é mais do que o meio campo e defesa do porto de há 2 anos, sendo que o ataque fica entregue a três jogadores tanto temidos como respeitados.
    Concluindo, contra factos não há argumentos.
    P.S. - As finais foram feitas para ganhar. Se as perdermos num jogo bem disputado contra uma grande equipa, pode-se aceitar. Se, tendo nós o melhor leque de sempre da selecção, perdemos a final contra uma equipa medíocre, com um jogo estereotipado, e que ainda por cima conhecíamos bem, é inaceitável. Aceitar essa derrota como um grande feito, é pior.

    By Anonymous João Ferreira, at 8:53 da tarde  

  • OK pronto, não vê! (sabes lá tu se vê ou não, pode ver na TV que muitas das vezes passa melhor a "mensagem" do que ao vivo no estádio, mas adiante) Qual é o problema de não ver?! Onde está escrito que o seleccionador tem que ver todos os jogos?! Ele é o profissional, ele sabe como fazer o seu trabalho, e acho vergonhoso estarem a criticar antes de mostrar o que pode ou não fazer. E já agora, há muito tempo, tanto tempo que eu nem me lembro quando foi a última vez, que Portugal não conseguia uma qualificação tão boa para uma fase final dum campeonato do mundo. Ou já não se lembram dos: "se aqueles empatarem e os outros ganharem nós talvez consigamos passar". Com ele, nós praticamente só temos vitórias.
    O melhor que tinhamos feito antes tinha sido um 3º lugar, e porque estava lá o Eusébio e os outros, esses sim levaram a equipa à meia-final.
    O Parreia nunca veio ver um jogo do Benfica e no entanto o Luisão foi convocado. Deixem-no trabalhar, ele merece a nossa confiança pelo que já fez. No fim é que se comenta.

    By Anonymous kimas, at 9:07 da tarde  

  • (embora o meu comentário tenha sido depois do do joão ferreira, só li depois de postar)
    Quanto aos factos:
    1º Sven-Goran Eriksson esteve disposto a deixar a selecção por um ordenado milionário numa equipa da League One (muito provavelmente a razão da sua saída no final do Mundial). É certo que foi tudo uma armadilha mas só por isto não deixa de ser mau seleccionador.
    2º É claro que se fosse ele um olheiro, não podia trabalhar em casa apenas assistindo a um canal de televisão. Mas como tem a função de Supervisionar acho que está bem assim, e aliás, está-se aqui a criar um mito. Ele vai aos estádios sim, só que não tanto como muita gente gostaria. E continuo a dizer... pela televisão dá para perceber muito do que se passa num jogo. Já não estamos em 1970 em que os jogos se realizam com uma camara na bancada central.
    3º Quaresma fez 2(?) jogos pela selecção A. Penso que todos os outros seleccionados fizeram mais que ele. (Excepto Ricardo Costa, penso eu, mas como ele explicou, esse jogador tem 90 e tal internacionalizações e muita experiência já como jogador, 24 anos e um grande curriculo). E como não-titular, talvez nas escolha do Scolari ficaria até atrás do Simão, ia ser um jogador em sub-aproveitamento. Faz bem mais falta nos Sub-21, que se realiza em Portugal e por isso muito importante para o País. Moutinho?! Como Moutinho?! Um jogador que os poucos jogos internacionais que fez no seu clube foi contra halmstads e companhias. Toda a sua curta carreira foi contra amadoras e leirias. Não digo que o Costinha esteja lá melhor, mas moutinho é um perfeito disparate.
    4º Portugal já este ano fez melhor que Inglaterra... na qualifição, eles viram-se bem afilitos, e nós? Já não há nenhuma espinha dorsal do Porto. Os jogadores não jogam juntos (em clubes) há mais de dois anos.

    Quando se fala no grande feito (e isto são palavras tuas não minhas) fala-se no ir à final, e não do ficar em 2º lugar. Fala-se sempre em apoiar as equipas nos momentos maus, mas até quando isso acontece se critica. O portuguesinho é lixado(com 'F').

    By Anonymous kimas, at 9:45 da tarde  

  • Kimas...em 1º lugar, o Quaresma e o João Moutinho até podiam não ter nenhuma internacionalização pelos séniores, pois pelo número de oportunidades que o Scolari dá, é de admirar que tenham duas; daí podes depreender que o facto de o seleccionador nacional não os chamar (quase) nunca, não esteja implicado que sejam maus jogadores.
    Em 2º lugar, Eriksson estaria disposto a abdicar da selecção para ir para a Premier League, e não League one, por estar farto em grande parte da exploração da imprensa inglesa que atura há 4 anos...aliás, como deves saber, o Scolari disse há 4 semanas que não poderia nunca treinar Inglaterra por causa da pressão que os jornalistas ingleses lhe fizeram durante dois dias...
    Em 3º lugar, volto a bater na mesma tecla...a televisão não tem mesmo nada a ver com ver um jogo ao vivo...ja falei de combinações tácticas, estratégia, dinâmica...poderia falar de esquemas tácticos, de princípios de jogo, sub-princípios, e sub-princípios dos sub-princípios, que podem estar ou não a ser aplicados e tu na tv não te apercebes, como basta pensares que pode haver um desdobramento que na tv pareça muito bom, mas tu ao vivo apercebes-te de que ele na prática tomou a pior opção...
    Em 4º lugar, como disse, Portugal tem o melhor leque (refiro-me a não ter só 11 bons jogadores)de sempre, e além disso teve de defrontar o incrível Liechtenstein e a impressionante Eslováquia, onde a muito custo conseguiu empatar...a Inglaterra fez 25 pontos em 10 jogos, Portugal fez 30 em 12...não creio que tenham estado assim tão mal...
    Em 5º lugar, em relação à "espinha dorsal", deixa-me voltar a dizer...mencionei que as circulações tácticas, assim como as combinações tácticas, passaram a ser desde o 2º jogo do Euro 2004 até hoje as que eram anteriormente aplicadas pelo FCPorto. E se pensares bem, até ao 1º jogo do Euro 2004, a equipa era bem diferente, e com uma forma de jogar bem distinta...Não me parece que tenha sido o Scolari que em 2 dias tenha dado organização defensiva, organização ofensiva, transição defesa-ataque e ataque-defesa à equipa...tu achas que foi?
    P.S. - Falo do Costinha...sou treinador no clube onde ele esteve a manter a forma...estou a vontade para reafirmar que há jogadores que se encontram melhor, apesar de que a posição dele é a mais facil de esconder alguma má forma.

    By Anonymous João, at 12:22 da manhã  

  • 1)Ãcho que scolari é paternalista porque o seu regime de "governo" baseia-se num excesso de autoridade, assumindo formas excessivas de protecção dos jogadores. como exemplo cito o caso costinha.

    2)A questão "quaresma" não se coloca. é normal e justificavel não o convocar pela simples razao que este não tem a mm experiencia internacional que os outros selecionados para a sua posição

    3) o merito de scolari vai agora, neste mundial, ser posto à prova. espero que não aconteça um novo mundial 2002

    By Blogger smanel, at 6:28 da tarde  

  • O autor gostou de ouvir o Scolari e até o achou educado.
    Gostaria de ver a réplica do Felipão ao autor se este pudesse perguntar-lhe na confe. Imprensa:
    1) em que festa da sardinha esteve para não comparecer no jogo de apuramento dos sub-21 no Bessa (se fosse no Restelo estaria).
    2) Mandou por SMS a felicitaão ao Agostinho Oliveira pelo apuramento?
    3) O contributo de Simão no apuramento do Mundial dá-lhe garantias de ser titular ou será o Boa Morte que ele se fartou de ver jogar em Londres (cosmopolita como Lisboa, o Scolari gosta decerto)?
    4) A mulher do Simão a liderar a bandeira feminina no Jamor ajuda?
    5) Se o espírito de grupo o Scolari fortalece e privilegia, porque não junta o Baía com o Ricardo no quarto como Oliveira fez com JVP e P. Santos que lhe partia os dentes todos no campeonato?
    6) As internacionalizações do R. Costa e os montes de títulos que tem devem-se: a) à sua indesmentível categoria e intocável titularidade quando os ganhou; b) ou pela experiência de jogar mais vezes e nada ganhar como na época passada quando foi titular (e sempre a jogar mal)?
    7) O Scolari só deve estar a mentir sobre o Luisão, o Assunção e o Cameleão como mentiu ao dizer que já tinha estado 12 vezes nas Antas a ver jogos e ninguém noticiou isso e os malvados do Porto não deram a dica à Imprensa?
    8) o tom educado e porventura nobre na conf. Imprensa? Essa sim, desve ser a brincar...

    By Anonymous José Luís Pereira, at 8:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home