domingo, abril 9

Congestionamentos

As portagens existem como pagamento pela prestação de serviço ao cliente. O serviço é deturpado pelas obras de melhoramento. O serviço perde valor e, neste caso, a disponibilidade a pagar por parte do cliente pode ser menor. O Estado (por ser o Estado, sector público e maximização de bem estar, etc.) poderia reflectir nos preços esta situação se as auto estradas fossem de algum modo um monopólio. Mas não são. Porque, legalmente, só se podem cobrar portagens se houver uma alternativa: os IP's, IC's e estradas nacionais. A existência de portagens garante a existência de alternativas.

Nesta linha, os consumidores que considerarem as obras uma diminuição da qualidade do serviço prestado terão nas vias substitutas alternativas mais atractivas, dada a alteração nas relações de custo-benefício. Se o preço baixar, este movimento é praticamente eliminado. Criam-se no entanto incentivos bem fortes para aqueles que, hoje e com tudo a funcionar, preferem as vias substitutas às auto-estradas. Para estes senhores as auto-estradas tornar-se-iam muito mais atractivas.

Assim, o resultado mais óbvio caso esta proposta se torne lei é o aumento do tráfego nas auto-estradas em obras. O que, com supressões de bermas, restrições de velocidade mais apertadas ou mesmo corte de vias, não será com certeza o mais adequado.

malta com binóculos

  • Epá, não concordo nada contigo! Primeiro, salvo erro já está previsto na actual lei que o preço pago por um troço de auto-estrada que não ofereça as condições que os clientes estão a pagar deva ver o seu preço reduzido.
    Segundo, são raras as excepções a que a alternativa é uma verdadeira alternativa.
    Terceiro, as pessoas não mudam os seus percursos por uma questão de custo-benefício mas por uma questão de comodidade. Achas mesmo que por a auto-estrada baixar de preço eu vou mudar o percurso que estive imenso tempo a optimizar só porque agora a auto-estrada é mais barata?

    By Blogger JP, at 12:12 da manhã  

  • 1) Acho que não está..Se não o porquê de todo este celeuma em redor da proposta de lei?
    2) Aqui vou concordar um pouco contigo. Há realmente algumas estradas que não são, realmente, alternativas.. Mas não creio que sejam a maioria. Aliás, de Lisboa até Leiria temos duas auto-estradas quase paralelas..
    3) A comodidade está enquadrada no benefício.. E penso que concordarás que há muita gente que hj não usa as auto-estradas (apesar da comodidade que oferecem) por o preço das portagens ser elevado.

    By Blogger Tiago Alves, at 4:04 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home