quinta-feira, janeiro 26

Sparks.


Os livros de Nicholas Sparks são algo a que muita gente já dedicou várias horas. Mais do que isso, são leituras que costumam fazer derramar lagrimas aos mais sensíveis. Acabei agora de ler o livro acima retratado, generosa prenda de anos das minhas queridas Novathas (elas sabem quem são, e obrigado outra vez!). Não resisto a deixar o testemunho.

Desta vez, Sparks não nos oferece um livro escrito com "uma força delicada e comovente, uma beleza surpreendente e arrebatadora como há muito já não se via na literatura recente", uma frase extrapolada da contracapa de O Diário da Nossa Paixão mas que facilmente se adequa, com menos profundidade, a As palavras que nunca te direi ou A Alquimia do Amor. Nestes livros Sparks faz isso mesmo. Constrói toda a história em redor do amor. O amor é o meio e o fim. E tudo o resto é secundário ou acessório, meras ramificações, causas ou consequências do romance, pequenos aditivos à história principal. O que ressalva é mesmo a beleza das palavras e a mensagem de sentimento verdadeiro que passa para o leitor.

Em Quem ama acredita não é bem assim. Temos um outro motiv, temos vários outros aspectos que nos prendem a atenção e que não têm directamente a ver com a relação que se vai estabelecer entre Jeremy e Lexie. Porque subsistem por si próprias. Nomeadamente as luzes. Quase que nos esquecemos que estamos a ler um romance do Sparks e embalamos na tentativa de solucionar o mistério, ao invés de tentar perceber o que vai acontecer entre os pombinhos.

É por isso que, um pouco antes do final e no final mesmo, quando finalmente a narração se centra no amor que uniu aquelas duas almas, quase que pestanejamos e nos vamos lembrando dos vários episódios, das várias conversas que quase passaram despercebidas mas que têm importância capital. E depois, enquanto lemos o final, vamos voltando atrás para ler o que se escapou. E percebemos tudo, e deliciamo-nos com a sequência dos acontecimentos, com as acções, com os medos e as reticências de ambos. Só descobrimos o clímax da história depois de passarmos umas 20 páginas e só no final mesmo, só mesmo praticamente no final, nos apercebemos que lemos mais uma bela história de amor. Com o selo Sparks. Ponto.
Tiago Alves

malta com binóculos

  • Temos Marcelo Rebelo de Sousa?

    By Blogger JP, at 8:06 da tarde  

  • Só tive o previlégio de ler um dos "Spark", O Diário da Nossa Paixão. Um bastou para dizer, Sparks é único!

    By Blogger Miguel da Silva, at 9:03 da tarde  

  • nunca li nenhum livro do sparks, sempre achei que seria demasiado lamechas para mim, talvez um dia tente, nada a perder não é? queria dar-te os parabens por estares a cumprir umdos teus objectivos, realmente tens escrito cada vez mais posts "não politicos", estou a gostar...um dos meus objectivos era manter o "mais maravilhoso dos blogs" (o meu claro!) tão activo como este, mas mesmo com supostamente 7 pessoas a escrever nele (apesar de só 3 o terem feito ainda!) não tenho conseguido, mas havemos de chegar ao teu nivel 1 dia!!!

    By Blogger a_mais_linda, at 11:52 da manhã  

  • O único que li, também foi o "Diário da Nossa Paixão", e embora ele escreva duma maneira tão singular e sublime, não fiquei com vontade de ler mais dele. Isto porque me despertou uma grande tristeza, enquanto o lia.

    By Anonymous kimas, at 2:17 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home