sexta-feira, setembro 30

Princípio de Peter

Fui há uns dias recordado do que era o Princípio de Peter pelo prof. Miguel Pina e Cunha, numa das aulas de Comportamente Organizacional. Embora já tivesse o tivesse ouvido, não deixei de me chocar novamente. A lógica é tão simples como controversa:

Se um indivíduo é o melhor naquilo que faz, é produtivo e eficiente, é promovido. Ganha mais, tem mais responsabilidades e tem um trabalho diferente do anterior. Neste novo posto, continua a ser o melhor, é produtivo e eficiente, um dos activos mais rentáveis da empresa. É promovido para um novo posto, com mais responsabilidades e, novamente, para um tipo de trabalho diferente (ainda que ligeiramente..). Não se adapta, o novo trabalho não conjuga com ele, torna-se uma espécie de jogador a menos, ineficiente. Não é promovido nem despromovido. Fica onde está, sendo o que se tornou: um elemento prejudicial à organização. Conclusão? Na esmagadora maioria dos cargos empresariais temos indivíduos incompetentes, não porque não têm valor, mas porque as suas capacidades estão a ser mal aplicadas.

É por isto que quando eu digo que estudo para ser Gestor e me dizem que o mercado está cheio deles eu sorrio e digo que não. O que este país precisa, não parecendo isto um puxar a brasa à minha sardinha, é de gestores competentes, que saibam tirar o melhor partido dos recursos humanos (e materiais, obviamente) que têm à sua disposição; saber afectá-los e criar bons contextos para eles trabalharem. Tantos estudos dizem que a nossa mão-de-obra tem um bom nível de formação (tecnicamente, a chamada experiência), são empenhados e produtivos e vemos a economia a cair. Não são precisos mega-programas de estágios nem mega programas de formação. Fundamentalmente é preciso, em conjunto com outras medidas muito faladas (por exemplo no post anterior), saber afectar da melhor maneira os nossos trabalhadores.
Tiago Alves

Homem com H grande

a frase

"Ouço pessoas a dizerem que temos que parar e debater a globalização. Também podemos debater se o Outono vem a seguir ao Verão. Mas não estão a debatê-la na China e na Índia - estão a aproveitar as suas possibilidades de uma maneira que vai transformar as vidas deles e as nossas"

Tony Blair, via Sinédrio

Tiago Alves

Até parece mentira

O Sporting foi eliminado por uma equipa sem pingo de classe. Técnico e jogadores deviam ter vergonha do que fizeram. Portugal não merecia isto...

A notícia diz respeito aos "leões" mas pode-se adequar também ao Sp. Braga que, depois de uma primeira mão arrasadora, deixaram os golos fora sentenciar a sua despedida da Taça UEFA. A equipa sensação do ano passado e, pelo que mostra intraportas, candidata a repetir a façanha, mostrou que lhe faltam os argumentos fora das fronteiras; ou então a experiência. Quanto aos Vitórias, foi pena ver o Setúbal a reagir tarde e a não conseguir contrariar a força da Sampdoria; O Guimarães, fruto de um excelente 3-0 em casa, não teve problemas na Polónia.
É a sina. Sempre que se consegue colocar mais equipas nas Eurotaças, fruto de uma qualquer grande campanha passada, logo a festa se transforma em desilusão, quando as vemos cair que nem tordos, ou à primeira ou à segunda. Só ninguém esperava era ver o finalista vencido do ano passado tombar também..
Tiago Alves

quinta-feira, setembro 29

a TMN está mais bonita


Tiago Alves

serviço público

O Diário Económico de hoje é um verdadeiro vendaval de ideias liberais.
Começando no destaque do dia, concedido aos embaraços criados pelo sector energético; não são os embaraços que são o problema: que há uma imensa descoordenação no Governo ou, porque não, uma instabilidade substancial que [tem vindo a acentuar] a crise na relação de confiança entre o Estado e a sociedade, já todos sabemos. O vendaval liberal vem do facto de termos um mega monopólio no mercado energético nacional, com barreiras à entrada significativas, pelo que só teríamos a ganhar (nós e a própria EDP e Galp, que teriam de melhorar bastante a sua Gestão, além de se libertarem dos gestores privados nomeados por confiança política) com a concorrência espanhola. Vendaval esse que tem sido denunciado nas páginas deste jornal, semana após semana.
Avançando nas páginas podemos encontrar factos comprovativos de que, afinal, em Bruxelas não se dorme, colocando-se em causa pelos senhores da UE a posição accionista do Estado na PT: a chamada golden share.
Mais à frente, "ficamos a saber" que a instabilidade e ineficiência do Governo penalizam competitividade, sendo ainda referidas como obstáculos a rigidez salarial e a burocracia. Ainda há pouco tempo ouvi, num debate autárquico aqui no Barreiro, o candidato Bruno Vitorino a dizer algo que me ficou
outra vez no ouvido: deixem-nos trabalhar! É uma frase célebre e que, segundo o Bruno, era a mais ouvida por ele quando se reunia com potenciais empresários e investidores barreirenses. Não pediam mega projectos de incentivos e subsídios. Pediam transparência e celeridade. Ao que parece, o problema é nacional.
Para terminar, nada melhor que a nota do editor, também sobre o papel do Estado: Sair de cena
.
Tiago Alves

Choque Tecnológico

Se não há limite de requisições civis por semana porque é que não se cria um sistema informático que a decrete mal dê entrada nos serviços o anúncio da greve?
Tiago Alves

Eu vi, eu vi!

Serve a presente posta para agradecer ao Barão por ter dedicado uma outra posta ao meu aniversário, mesmo em cima da hora (23.59 do próprio dia), como costuma ser seu hábito. Obrigado Barão!
Tiago Alves

quarta-feira, setembro 28

a propósito

Hoje foi o primeiro dia oficial de aulas sem praxes na minha FEUNL; hoje escrevi duas postas, o que não acontecia há uns dias; hoje os jornais vieram todos azuis, reflexo de uma agressiva e tardia movimentação publicitária da TMN; hoje faço 19 anos!! Obrigado!
Tiago Alves

Também eu

Ja vai bastante atrasado mas não quero deixar de dizer que também eu faço grrrr quando ouço falar de subsídios.
Tiago Alves

domingo, setembro 25

a poesia não necessita de sentido

“Faço-o por imperativo cívico, faço-o porque sou republicano e faço-o porque é necessário um novo patriotismo nesta hora em que Portugal enfrenta os desafios da globalização. E faço-o também porque é necessário criar e abrir um espaço de cidadania, um espaço de escolha para os portugueses"
Manuel Alegre

Traduzindo e sintetizando, fá-lo para impedir o prof. Cavaco de ganhar à primeira volta.
Tiago Alves

sexta-feira, setembro 23

Eu me confesso

Eu disse que ia, mas não fui. O cortejo até ao Rossio, um dos mais marcantes momentos da praxe académica da minha FEUNL, tirou-me o tempo e a frescura física para participar na segunda iniciativa liberal. O tema não era o meu forte, é certo, mas seria então uma boa maneira de me inteirar e de ouvir um homem cujas ideias sempre apreciei, apesar de fora da minha área política - António Mega Ferreira. Pode ser que o ouça noutra ocasião. Sendo assim, e depois de apresentar as minhas sinceras desculpas ao PPM, faço um desenho enorme na página do dia 18 de Outubro da minha agenda. O tema é a economia: e aí eu não posso faltar.
Tiago Alves

quarta-feira, setembro 21

EU VOU

Amanhã, às 20.30, no teatro S. Luiz. Já sei onde é. Desta vez não vou para lá meio à toa e nem vou andar a fazer que entro e não entro. Chego lá e pergunto onde é o Salão de Inverno. Está feito! Para quem não sabe, é favor ver este site; e colocar na pesquisa teatro São Luiz.
Tiago Alves

A devastação II


As pessoas que habitam em locais de baixa altitude já receberam a ordem de evacuação assim a intensidade do furacão Rita foi requalificada de nível 4, o mesmo do Katrina. Desta vez o percurso da tempestade é diferente, podendo atingir mais cidades a Ocidente. Depois do recente flagelo, acredito que a resposta das autoridades vai superar as necessidades; e a lição aprendida há umas semanas não foi em vão. Por enquanto, resta-nos, de novo, desejar boa sorte.
Tiago Alves

Memories

In this world you tried
not leaving me alone behind.
There’s no other way.
I prayed to the gods let him stay.
The memories ease the pain inside,
now I know why.

Chorus:
All of my memories keep you near.
In silent moments imagine you here.
All of my memories keep you near.
Your silent whispers, silent tears.

Made me promise I’d try
to find my way back in this life.
I hope there is a way
to give me a sign you’re ok.
Reminds me again it’s worth it all
so I can go on.

Chorus:
All of my memories keep you near.
In silent moments imagine you here.
All of my memories keep you near.
Your silent whispers, silent tears.

Together in all these memories
I see your smile.
All the memories I hold dear.
Darling, you know I will love you
until the end of time.

Chorus:
All of my memories keep you near.
In silent moments imagine you here.
All of my memories keep you near.
Your silent whispers, silent tears.

All of my memories....

A música do momento. Já com uns meses, foi agora relembrada com o lançamento do single, acompanhado de um dos melhores clips de sempre da banda. Fantástico, original e profundo, é mestre nos pormenores (o piano que toca sozinho, o espelho e o colar, a brisa nas folhas e nos cortinados, as sombras na parede ao início, quando a Sharon sobe as escadas, as telhas de aranha nos objectos e o colar na idosa, no final) e nos efeitos (a transformação da Sharon em idosa e vice-versa está excelente; ou o restaurar da mobília com um olhar)
Tiago Alves

Coincidências

Fátima Felgueiras avisou a Polícia de que se iria apresentar ou alguém a avisou que podia chegar à vontade porque ficaria em liberdade?
Tiago Alves

terça-feira, setembro 20

Mais Autárquicas

Decidi, enquanto durar o periodo eleitoral, colocar ali um link para o Mais Autárquicas, que referi numa das últimas postas.
Tiago Alves

Sporting muda de atitude

O Sporting consumou a sua aderência ao Movimento 560 ao preferir produtos nacionais.
Tiago Alves

Mais Autárquicas

A SIC, o Expresso e a Visão juntaram-se e criaram um completo site sobre as eleições de 9 de Outubro. O Mais Autárquicas contém, além de notícias, um interessante mapa com os resultados de há quatro anos assim como uma análise dos concelhos onde podem haver mudanças. Curioso o facto de, embora colocar um ponto de interrogação na capital, os analistas darem como certa a reeleição de Rui Rio para o Porto, colocando a questão em torno da maioria absoluta.
Como reparo fica o facto de não ser dado potencial de mudança ao concelho do Barreiro, onde a vitória do PS foi por escassa margem e a luta autárquica se faz ombro a ombro, desconhecendo-se o potencial das candidaturas de Mário Durval (Delegado de Saúde da cidade) pelo Bloco e de Bruno Vitorino pelo PSD que, embora não vencedoras, podem baralhar as contas, recolocando os comunistas no poder.
Tiago Alves

segunda-feira, setembro 19

Back to work

É só para dizer que aqui o telescópio vai andar mais desaparecido por estes dias, visto ter começado a Faculdade. Não é uma má notícia! Pelo contrário. Seja como for, tentarei arranjar sempre um tempinho para vir aqui dar uns dedos de conversa; quando passar a semana das praxes...mesmo a tempo do início da campanha autárquica.
Tiago Alves

Flash

Afinal não é só em Portugal que, no final das eleições, todos cantam vitória.
Tiago Alves

Empate técnico II

E continua muito mau.

domingo, setembro 18

Empate técnico

Está mau, lá para os lados da Alemanha.
Tiago Alves

60 milhões a votos

Decorrem hoje as eleições na maior economia europeia e se há uns meses a vitória dos democratas-cristãos parecia certa, hoje estão na mesa várias possibilidades de Governo. Os indecisos multiplicam-se e Gerhard Schroeder tem vindo, como nas últimas Legislativas, a recuperar o atraso para Merkel. CDU e Liberais ou SPD e Verdes parecem ser as duas possibilidades mais fortes mas também não se descartaria uma "grande coligação" entre sociais- democratas e conservadores.
Passando à margem de muitos portugueses (se até as nacionais passam...), pode-se tornar no acontecimento da semana, assim o determinem os resultados. Para seguir com atenção.

Tiago Alves

sábado, setembro 17

A baixeza

As ondas de choque do debate de anteontem ainda se fazem sentir e Carrilho já anunciou que exige um pedido de desculpas a Carmona por ter utilizado "contra mim [Carrilho] uma calúnia, tendo perfeito conhecimento de que estava a dizer uma calúnia, mostrando uma enorme má-fé". Parece que o provérbio "quem não sente não é filho de boa gente", tão utilizado nesta blogoesfera para defender o desabafo final de Carmona foi escolhido pela candidatura socialista para defender a falta de educação de Carrilho.
Tal como eu havia dito ontem, já se fazem sentir os pontos perdidos por Carmona quando se rebaixou ao nível do seu adversário e lançou o tema da "casa de banho", ainda presente no imaginário comum mas já julgado e arquivado por quem de direito. Carrilho pode e vai aproveitar estas e outras situações (o caso das "negociatas") para desastar ao máximo o seu opositor recorrendo, como se tem visto, a todas as armas.
O perigo da matemática autárquica sente-se em cada esquina da capital. Muito boa gente, não votante cega, poderá começar a dirigir os seus votos para outros candidatos interessantes, destruindo todas as contas e cálculos, podendo contribuir para a vitória do sr. filósofo.
Tiago Alves

as melhores postas das últimas horas

Oliveira Martins será tão isento como Jaime Gama
Jaime Gama aceita nova proposta do PS para referendo ao aborto
no Blasfémias

A propósito da descredibilização dos políticos

Compreendo perfeitamente a indignação de Joana Amaral Dias. Por este andar, um dia destes ainda aparece por aí num debate televisivo um idiota qualquer a dizer que quem não tem filhos não pode falar do aborto. n'O Insurgente

Tiago Alves

Para mim tanto me faz!

A minha irmã foi ver o concerto dos DZR'T e voltou quase sem fala.
Eu fui andar numa espécie de pêndulo que nos puxava acima e nos deixava cair a uma velocidade assustadora e voltei quase sem fala.

Tiago Alves

sexta-feira, setembro 16

Para mim tanto me faz!

Hoje os DZR'T vêm cá ao Barreiro. Todos os caminhos vão dar ao Pavilhão do Fabril. Parece que está um trânsito infernal para aqueles lados e que o estacionamento é uma miragem. E eu que vou para as festas da Moita, que não tem nada a ver.
Tiago Alves

Pelos Caminhos de Portugal

O Dolo Eventual continua a sua interessante epopeia. Agora reuniu toda a colecçao de cartazes autárquicos (que têm sido acompanhados, no blog, com informações sobre os resultados de 2001) num site autónomo, muito bem conseguido. Lá podemos acompanhar as campanhas que se fazem pelo país real, nesse apaixonante mundo do poder autárquico. A visitar.
Tiago Alves
PS: Eu sei que ainda estão à espera do meu contributo, mas eu não me esqueço; é só tirar as fotos.

(grande) Ordinário! - disse ele II

Já vi o resumo na SIC. Parece que não se inovou muito. O túnel pára, o túnel pára, a propaganda acaba, a propaganda acaba são as principais propostas de Carrilho para a nossa capital. Isto e insulto fácil para os adversários, além da já conhecida arrogância e desprezo pelas ideias alheias. Como disse Ricardo Costa na sua análise, Carrilho no seu melhor, tal como o conhecemos. É, ao que parece, a sua maneira de estar na política. Estranha forma de vida, este candidato.
Por seu lado, Carmona Rodrigues aguentou com a sua calma olímpica todas as baixezas do adversário apesar de ter resvalado para um nível que não é o dele em algumas ocasiões. Ponto perdido. Demonstrou algum conhecimento dos dossiês e manteve o túnel como bandeira.
O clímax final não foi assim tão empolgante como eu esperava, tendo em conta as leituras da manhã, que serviram de base à posta anterior. Mas não acho que tenha sido ponto perdido. Foi mesmo um desabafo de um homem sério e com carácter, que sabe comportar-se na e após a guerra. Carrilho sai fragilizado, além de rotulado não só de arrogante nem de ordinário, mas de
grande ordinário.
Tiago Alves

Ordinário! - disse ele (pré comentário)

Não tive a oportunidade de assistir ontem ao debate Carmona vs Carrilho, pelo que o meu pré-comentário é, como o próprio nome indica, baseado apenas no que já fui lendo aqui, aqui e ali.
Seja como for, parece que o debate voltou a ser uma peixarada das antigas, com as acusações pessoais e a calúnia fácil a sobrepôrem-se ao verdadeiro confronto de ideias e projectos. Não vale por isso a pena debruçar-me sobre esses temas que, por culpa dos intervenientes, não fazem as capas dos jornais; deixo isso para quando vir (pelo menos) o resumo. Quanto às ordinarices que tiveram lugar sou obrigado, não só por concordância política e pelo que li, mas também por ter uma opinião muito pessoal e muito vincada sobre os dois candidatos, a desconfiar que o sr. Carrilho foi o maior culpado pelo descarrilhar do fio civilizado. Este filósofo já nos mostrou, durante a pré-pré campanha e durante a pré campanha, que está disposto a jogar tudo para conquistar a CML.
Como já disse, ainda não vi o debate. E a cena que mais se fala por toda esta internet fora é o clímax final, retratado na já linkada posta do blasfemo Gabriel. A palavra que fica no ar é simples e esclarecedora: Ordinário!

Tiago Alves

quinta-feira, setembro 15

Descubra as diferenças*


*sugestão da total autoria da Joana do Semiramis, onde se pode ler que "a sua [de GdOM] prestação como Ministro das Finanças foi assombrosa: conseguiu, com o rosto iluminado pela felicidade ingénua de Mr. Bean, nunca acertar, nem de perto nem de longe, no valor do défice".
Tiago Alves

Frente desportiva - boletim clínico

Conta é lá dentro!

A mostrar que, apesar dos "criticados" 1.68m, chega onde os outros chegam, Miccoli pode-se ter transformado na nova coqueluche da Catedral. O tento da vitória tardou mas chegou com justiça, colocando as águias na liderança do Grupo.
Tiago Alves

p.s.: Cheguei atrasado ao café e não vi o pontapé inicial. Chegou a tocar a musiquinha escocesa?

quarta-feira, setembro 14

Flash

Só de passagem, porque já estou atrasado para ir ver o Glorioso, pergunto a todos aqueles que por ai andam a mandar bocas ao sr. Koeman e a fazer piadas sobre a linha de água quem é o adversário do Sporting hoje. E já agora, mandei um mail para o organizador do Benfica-Lille para colocar nas colunas da catedral uma musiquinha escocesa, em vez do habitual (embora sempre comovente) Sou Benfica, dos UHF. Ele ainda não respondeu, mas daqui a nada já se vê se aceitou a sugestão.
Tiago Alves

terça-feira, setembro 13

Introdução à Microeconomia

Nenhuma transacção comercial voluntária ocorre a não ser que ambas as partes dela beneficiem.

No A Arte da Fuga, o caro AA cita Adam Smith para responder a uma barbaridade na qual, infelizmente, muitos continuam a acreditar. Tal frase parece muito simples para ser aplicada a uma questão tão complexa como os acontecimentos decorrentes da liberalização dos mercados após a entrada da China na OMC. Pois para quê complicar? Se houve coisa que o prof. Vasco Santos me ensinou no semestre passado é que quase todos os grandes problemas económicos podem ser resolvidos com um modelo bastante simples, com meia dúzia de continhas e uma conclusão iluminada. Claro que às vezes podem ser necessários vários modelos simples, dúzias de meias dúzias de continhas e várias mentes iluminadas, mas chega-se lá.
Se a China vende é porque alguém compra. Se eles têm vantagem absoluta (e comparativa, no caso) sobre Portugal na produção textil estão a cumprir as regras do meu Microeconomics, estão-se a especializar e a inundar o mercado. Portugal é que está a falhar. Parece que não sabe onde andam as suas vantagens comparativas. Não sabe o que há-de exportar e brada aos quatro ventos, como se viu na barbaridade citada, que não anda a lucrar. Lucra sim, digo eu, que ando a comprar, como tantos outros, t-shirts muito mais baratas.

Tiago Alves

Eleições Alemãs

Neste artigo do DN encontramos um parágrafo muito engraçado.

Mas ainda falta uma semana para a votação. O eleitorado parece ter esquecido, repentinamente, o que foi a vida na RDA, qual é o actual estado da economia e os cinco milhões de desempregados. Até domingo, talvez a memória vire à direita, tão depressa como passou à esquerda.


É certo que tem muito de especulativo/opinativo e pouco de informativo, mas não deixa de ser verdade. O novo Partido da Esquerda alemão, qual Bloco, resulta duma união de diversas facções, entre elas os antigos comunistas da ex-RDA, e aparece na campanha representando aquela "energia alternativa" que tantos apoiantes reúne quando a classe política anda pelas ruas da amargura. Com a súbita inflexão do SPD, pode-se dar o caso de a antiga coligação de esquerda SPD/Verdes ser alargada aos novos radicais. Parece ser isso que a CDU (democratas cristãos) e os Liberais pretendem dizer aos eleitores. Porém, e segundo os analistas,
o cenário mais admitido pelos analistas passa pela chamada "grande coligação", a formação de um Governo entre CDU e SPD, liderado pelo vencedor, que no caso seria Angela Merkel.
Mesmo assim, alguns blogs insistem, com uma ponta de regozijo, em fazer contas bipolarizadas.
Tiago Alves

Jobs for the boys

Parece que o plano Controlus é mais do que uma teoria da conspiração. É mesmo verdade. Então agora o Presidente do Tribunal de Contas é deputado do Partido Socialista?
Tiago Alves

segunda-feira, setembro 12

Incoerências - ou o efeito tablóide

É a capa do Record de hoje. Já que, como se pode ler, o lugar do treinador não está em causa, o que querem eles dizer com "Koeman em xeque"?
Tiago Alves

Choque Tecnológico II

E com isto tudo coloquei uma imagem que muda de segundo a segundo. O Telescópio na vanguarda! Hoje uma imagem GIF que muda, amanhã uma torradeira on-line!
Tiago Alves

Traição!

Confesso-me desiludido. Um dos maiores ídolos da esquerda, herói do anti-cavaquismo, defensor dos pobres e oprimidos, associa-se a uma instituição do grande capital, que lucra quando os desfavorecidos perdem, a quem a crise nunca bate à porta, a quem nunca são retirados privilégios*
Ele está ali.
Tiago Alves

*palavras de Jerónimo de Sousa num qualquer comício recente, citadas de memória.

domingo, setembro 11

Não, não eram só seis!

No GP da Bélgica tivemos mais uma demonstração da força do piloto português. Num circuito difícil (apenas 44 voltas) e com as condições climatéricas particularmente adversas, Tiago Monteiro, partindo da 19ª posição, conseguiu ir galgando lugares, benefeciando de desistências e de estratégias menos bem sucedidas dos adversários, terminando num honroso 8º lugar. A corrida terminou com 15 pilotos em prova. Conquistou assim um ponto, juntando mais um recorde ao seu historial: é agora o único português a pontuar por duas vezes numa época, continuando a surpreender por levar já 16 Grandes Prémios terminados.
Tiago Alves

Foi há quatro anos

Tiago Alves

Melhores tempos virão

Correu mal, ontem...

Tiago Alves

sábado, setembro 10

Hoje há Derby II - análise técnica

Fazendo fé nas previsões dos principais jornais desportivos e com um toque pessoal pelo meio, partirei do princípio que o Sporting se apresentará com o famoso 4-4-2 losango enquanto o Benfica optará, provavelmente, por apostar no 3-4-3. É uma aposta de risco, mas bem enquadrada poderá dar os seus resultados. É possível que, caso Deivid não seja titular, o esquema se renove para um 4-3-3.

Se o Sporting utilizar os mesmos intérpretes, o meio campo sairá reforçado, com Moutinho e Luis Loureiro a aguentarem as hostes com Sá Pinto, Douala terá campo aberto para se juntar mais a Liedson e Deivid no ataque à baliza de Moreira. O trio de meio campo poderá ter alguma vantagem se o Benfica jogar com três centrais, embora a dupla de avançados possa ser mais facilmente "anulada" caso os Rocha, Andersson e Luisão se entendam no terreno. Peseiro pode então querer explorar as alas e conta com o ex-bracarense Wender que, paralelamente a Douala, pode transformar o 4-4-2 num 4-4-3 puro. É normal que, a dar-se este caso, Koeman possa desviar Rocha para a esquerda, regressando ao tradicional quarteto defensivo. João Alves pode ser um bom trunfo para reforçar o meio campo, principalmente se se notar algum ascendente por parte dos centro campistas do Benfica.

Do lado dos encarnados, a aposta no 3-4-3 resultará num meio campo mais frágil, embora Manuel Fernandes e Karagounis (Beto), auxiliados a espaços por João Pereira e Nélson, possam conseguir suster o domínio (numérico) que o trio sportinguista ostenta. Este esquema, que deu galo no último jogo, pode ter na troca Beto-João Pereira uma grande mais valia, pois o jovem extremo será muito mais acutilante, além de mais bem preparado a defender a ala do que o seu recente colega. A Manuel Fernandes e Karagounis pedir-se-á grande espírito para acorrer a todas (ai Petit, Petit) e ainda para lançar o jogo encarnado, sendo de esperar que Simão recue mais do que o habitual para o vir buscar. Na frente, com Micolli a actuar à Derlei, poderemos esperar grandes dificuldades para os centrais leoninos.

21.30, na Sport TV.
Tiago Alves

Hoje há Derby

Começam cedo as emoções fortes na Liga deste ano. Quis o sorteio que o clássico dos clássicos se jogasse logo à 3ª Jornada. Não se previa que os rivais de Lisboa tivessem há tantos pontos entre eles (n.d.r. 5 pontos de vantagem para os leões).
De um lado teremos um Sporting 100% vitorioso mas com graves lacunas defensivas (agravadas com as lesões de Beto e Edson) assim c
omo alguma falta de entrosamento atacante. Saiu o importante Roca e chegaram dois reforços de indiscutível valia mas sem a tal rotina. Além disso, pelo que se viu no último jogo, parece que o Sporting continua a viver demasiado de Liedson, o levezinho que, convenhamos, não pode continuar a ser o abono de família para sempre.
Os encarnados partem para o jogo com um dos piores arranques dos últimos tempos e com a obrigação de não perder, sob pena de verem os adversários a 8 pontos. Com Koeman ainda indeciso quanto aos esquemas tácticos e a tomar decisões estranhas -Mantorras e Nuno Assis de fora-não sei se podemos esperar mais da equipa do que um arranque mágico de Simão, Manuel Fernandes ou mesmo Micolli, caso jogue a titular. A defesa é, apesar de tudo, um dos pontos fortes da equipa e, mesmo num esquema de três centrais, deverá dar conta do recado. Não se sabe porém como reagirá o meio campo sem o habitual pit-bull.
Hoje, às 21.30, na Sport TV.

Tiago Alves

sexta-feira, setembro 9

Aceites, mas veja lá não repita!

Via Acidental, chega-nos aqui uma corajosa demonstração de vergonha de um cidadão desiludido. Tudo bem Rogério, mas da próxima mais atenção!
Tiago Alves

Coincidências

Aximage: Cavaco vence à primeira volta

Jerónimo de Sousa admite "avaliação" da sua candidatura

no Diário Digital

Tiago Alves

quinta-feira, setembro 8

POUS

O Partido Operário de Unidade Socialista apresentou esta manhã o candidato à Presidência da República. A histórica militante Carmelinda Pereira vai avançar na corrida às presidenciais de 2006.

"É necessário um candidato socialista para ajudar o povo e os trabalhadores a expressar claramente uma política socialista que vai ordenar o futuro da Humanidade, o futuro do nosso país. Eu apresento-me às presidenciais como candidata à Presidência da República", anunciou esta manhã a histórica militante, durante a apresentação da candidatura


Meu Deus, esta senhora estudou História no 12º Ano?
Tiago Alves

Tróia - o futuro pode começar hoje

As torres caíram e com elas um dos símbolo máximos da burocracia estatal portuguesa e dos entraves que se colocaram (e continuam a colocar) a todos aqueles que, como os dois irmãos Agostinho e José da Silva, viram (vêem) na [sua] iniciativa e no empreendedorismo a melhor maneira de melhorar a sua vida, criando empregos e riqueza, prestando serviços ou produzindo produtos de qualidade, dando o seu "empurrãozinho" ao motor económico nacional.
Não sou (nem posso ser) um dos saudosistas do "admirável mundo novo" que foi a Tróia dos anos 70/80. Os caros camaradas privaram-me dessas maravilhas que, ouço os meus pais dizer, existiam no local. Mesmo assim, assisti com os olhos no televisor a todo o "espectáculo" montado. Sempre achei que Tróia era uma mina. Aquela areia, as águas, o sol e toda a própria envolvente tem capacidade para tranformar aquele litoral num dos destinos mais procurados do Mundo. Um colosso empresarial como a SONAE tem toda a capacidade para ali criar um centro de riqueza soberbo, único no país.
Vejamos o exemplo espanhol:
Toda a costa do país vizinho, desde a fronteira com Vila Real até à fronteira francesa, se encontra explorada. Os centros turísticos, uns de maior outros de maior interesse, pululam por todo o lado. Hotéis, que puxam por restaurantes e cafés, que puxam por souvenirs e outro comércio tradicional, que puxam mega centros comerciais, que puxam vida nocturna, que puxam por parques temáticos..Meia dúzia de hectares de Hotéis dão vida a dúzias de hectares de tecido empresarial criador de empregos e de riqueza. Isto em Espanha onde, relembre-se, as praias não tem a nossa qualidade e a hospitalidade só agora começou a melhorar, acompanhando a nossa regressão.
Em Tróia teremos gestão nacional, empregos dirigidos maioritariamente para portugueses (os que queiram trabalhar). Tenho visto dezenas de velhos de Tróia a dizer que "não vai ser nada para eles, que é bom é para os ricos". É óbvio que a motivação do sr. Belmiro, assim como de todos os empresários, passa sempre pelo lucro. Mas sempre que há lucro, recordemos, é porque sobrou dinheiro para pagar todos os juros, todas as rendas, todos os salários. Sempre que há lucro, houve um bom serviço prestado aos clientes. O lucro puxa a riqueza. E riqueza é coisa que não abunda pelos lados de Portugal nos últimos tempos.

Tiago Alves

coisas que não entendo

Porque é que quando o Estado corta, corta sempre naqueles que têm capacidade para tornar esses cortes menos violentos?
Tiago Alves

Tróia

Caem as torres, ergue-se com mais força a esperança.
Tiago Alves

quarta-feira, setembro 7

Falta de cultura democrática

Já ando há uma data de tempo para tirar fotografias aos cartazes aqui do Barreiro para mandar para o Dolo Eventual mas o tempo escasseia. Prometo que vou mandar antes do final do mês. Entretanto aqui fica um episódio marcante da pré campanha barreirense, relatado nas páginas do Diário do Barreiro e por mim confirmadas.

A colocação de um cartaz do Partido Socialista (PS), no Largo das Obras, despoletou alguma contestação por parte do Partido Social Democrata (PSD). O partido considera a localização do outdoor dos socialistas ofensiva, uma vez que cobre parcialmente um cartaz do PSD que já se encontrava no local. Bruno Vitorino, presidente da Comissão Política Concelhia do PSD Barreiro classifica esta atitude como “uma falta de cultura democrática”.
Tendo o PSD feito queixa à Comissão Nacional de Eeleições, a resposta não podia ser mais clara. A ordem é para que o cartaz seja retirado sob pena do PS sofrer uma sanção.
Tiago Alves

Como não se via desde ontem

Coincidências

Desde que coloquei o sistema anti-spam n'O Telescópio que ninguém comenta. Será que afinal tudo não passava de spam?
Tiago Alves

terça-feira, setembro 6

Álbum de Férias 2005 III

No seguimento da imagem anterior, uma amostra de que, mesmo com a costa totalmente explorada, com as receitas do turismo a garantirem mais de 6% do PIB, Espanha não dorme.


Em baixo mais alguns sinais da constante actividade de criação de riqueza que, nestes últimos anos, se torna normal em Espanha. Ao contrário de certos países..



Tiago Alves

Álbum de Férias 2005 II

Um engraçado efeito nas janelas dos quartos do Hotel (foto tirada com algumas preocupações artísticas)

E algumas das (muitas,
muitas mesmo) ventoinhas que constituem o Parque Eólico da região e que ajudam a compôr a paisagem. Não sei se já tinha falado aqui do meu fascínio por estes objectos.

Tiago Alves


Álbum de Férias 2005

Este ano as férias propriamente ditas foram passadas em Benalmádena, na zona de Torremolinos, perto de Málaga, aqui na vizinha Espanha. Embora a praia se parecesse com uma mina de carvão (tal era a cor da areia) o Hotel (Bali de seu nome) surpreendeu pela positiva e o espaço envolvente era muito bom. Na viagem de regresso optou-se por um passeio pela costa, regressando por Cádiz, subindo para Sevilha e depois rumando ao nosso Portugal. Algumas imagens dessa terra mágica nas próximas postas.

A primeira mostra a vista da varanda do hotel.

A segunda é uma daquelas construções simples mas que decoram de uma forma espectacular e variada algumas das rotundas da zona costeira.










A terceira mostra o mítico senhor da viola (é o único nome que tenho para lhe dar) que, a espaços, como o
(também mítico) touro, acompanha os automobilistas nas auto pistas espanholas.

Tiago Alves

Telescopiando

O verdadeiro "modelo sueco", por João Marques de Almeida, no DE

Soares novo vs neo-Cavaco?
, por Manuel de Lucena, no DN
Tiago Alves

Como há muito não se via

segunda-feira, setembro 5

Ainda o Katrina

Reparei hoje pela voz do Luis Costa Ribas que a situação já está muito melhor e que os meios, embora tardios (como todos somos unânimes a admitir), estão a chegar e a cumprir o seu trabalho. Uma impressionante ponte aérea foi estabelecida no aeroporto internacional "Louis Armstrong". Resgatam-se inúmeros sobreviventes que se refugiaram em bem defendidas habitações e promovem-se os primeiros esforços para limpar as ruas, tornando-as transitáveis.
Não se andam a matar uns aos outros. Não acho que tenha servido para eles perceberem que não são especiais. E a construção de New Orleans, pese todos os pormenores técnicos que poderiam, dizem, ter minorado os efeitos, não é uma causa directa da catástrofe.

Aproveito para citar Henrique Raposo n'O Acidental, com alguns acrescentos meus, identificados a itálico.
"(...)na América selvagem, imperialista e neo-liberal, a taxa de desemprego é de 5%; na França social e amiga dos mais desfavorecidos (símbolo da Europa centralista em dificuldades económicas), é de 11%. Mais: se viver na América é um inferno, porque razão a população americana continua a aumentar? Se viver na Europa centralizada é um sonho, porque razão a população continuar a diminuir?
Tiago Alves

Choque Tecnológico

Graças ao amigo PPM, que me mostrou como é fácil explorar o blogger, a partir de hoje O Telescópio tem um sistema anti-spam. Cada comentador tem de copiar umas letrinhas para o seu comentário ser válido. Não custa nada e impede algumas intrusões, que se têm tornado menos raras.
Tiago Alves

domingo, setembro 4

Victims of Comunism

Um memorial on-line em honra das mais de 100 milhões de vítimas do Comunismo. Na imagem, a estátua Democracy, colocada em Tiananmen por estudantes chineses, é baseada na Estátua da Liberdade e estará em plano de destaque no memorial físico que esta fundação pretender erigir em Washington D.C., no próximo ano.

"The fall of the Communist empire," said Czech President Vaclav Havel, "was an event on the same scale of importance as the fall of the Roman Empire."And yet in Washington, D.C.--the city of memorials--there is no monument marking this epic event. And there is no memorial to the many millions who died under communist tyranny. Until now.

It is a great moral failing for a free society to misunderstand the extent of Communism's atrocities. While the horrors of Nazism are well known, who knows that the Soviet Union murdered 20 million people? Who knows that China's dictators have slaughtered an estimated 60 million? Who knows that the Communist holocaust has exacted a death toll surpassing that of all of the wars of the 20th century combined?


(...) the Cold War victory remains incomplete. A free society must not allow itself to be content until everyone recognizes Communism is a road to terror and oppression.

Tiago Alves

assassinos em festa II

Che Guevara, a ex-União Soviética, a foice e o martelo são apenas alguns dos ícones que preenchem a indumentária dos muitos milhares de jovens presentes este fim-de-semana na Quinta da Atalaia.
DN de hoje

Há algo que me irrita profundamente nas t-shirts do Che Guevara. Che Guevara foi um assassino, o guerrilheiro que liderou, com Fidel, a instauração de uma ditadura em Cuba. Não se contentando com isso, ainda ajudou à proliferação das ditaduras em África e procurou lançar uma conquista de âmbito continental na América do Sul onde, por falta de apoio popular e com alguma asma (doença de que sofria) à mistura, acabou por ser capturado. Por isso é, obviamente, um símbolo para os comunistas. Ninguém acha por isso estranho que jovens e adultos tenham como ídolo não só um assassino como um dos maiores símbolos (quiçã só comparado a Fidel, Stalin ou Mao) dessa ideologia que assassinou mais de 100 milhões de vidas, escravizando outras tantas, contribuindo para a decadência e para o atraso económico em todos os locais por onde passou, desde o Leste Europeu à África, passando pelo Centro e Sudeste Asiático, sem esquecer a própria Rússia; mais que isso, que o mostrem alegremente nas suas t-shirts.

Porém, se por acaso eu arranjar uma t-shirt com o dr. Salazar decerto sou insultado e quem sabe agredido nas ruas. Uma do Mussolini ou do Franco talvez não (pois ninguém os conhece) mas do Hitler era o fim do Mundo! E se eu andasse com pins da cruz suástica na mala? Não vejo porque têm uns mais direito que outros. Não vejo o porquê de fazer distinção entre uma ideologia e personalidades que levaram a vida a meio mundo, só porque uma acabou pela força e a outra desmoronou-se sozinha. Também não pude concordar com a enorme polémica que causou a manifestação da Frente Nacional (que ao que parece é uma organização não consentida, segundo o artigo da Constituição em baixo) quando todos os dias vemos bandeiras vermelhas a esvoaçar pelas ruas da Capital. Qual é a diferença?

Artigo 46º número 4 da Constituição: «Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações [qualquer concertação de vontades ou esforços] (...) que perfilhem a ideologia fascista
Tiago Alves

assassinos em festa

Está a ter lugar este fim de semana a Festa do Avante.
Vou-me escusar a comentar as questões economicamente interessantes sobre o financiamento do PCP a partir desta festa ou ainda o enorme vazio ideológico que a personifica, servindo maioritariamente de diversão a alguns milhares de jovens com interesse não na política mas sim nas "bubas". Assim, seja por elas, pelo cartaz de concertos (que, admito, até está bem composto) ou pelo preço social de €17, o PCP orgulha-se sempre na altura de apresentação dos números, dizendo que a juventude está com o partido. Nada mais errado, como se vê nos resultados eleitorais ou mesmo nas ruas. O PCP já não encanta ninguém e só o balão de oxigénio Jerónimo de Sousa, com o seu ar patriacal de avô Cantigas, tem dado algum ar novo a este projecto velho. Velho e ultrapassado.
Obviamente que, no meio dos milhares de jovens party animals poderemos encontrar alguns comunistas ferrenhos, membros proeminentes da JCP ou então simples arruaceiros e manifestantes, todos ligados por esse estranho elo que poderá ser concretizado na barba grande, na t-shirt do Ché (uma breve consideração no post seguinte), nos pins com a estrela vermelha ou com os míticos martelo e foice. Jovens que tentam ser diferentes, que provavelmente não conheceram a Europa e o País nos tempos que eles insistem em classificar de áureos. Tempos onde cadáveres eram empinhados em comboios e levados para a Sibéria..ou usados como massa para, misturados com cimento, ajudar a construir edifícios. "Sobre os teus inimigos construirás o teu Império" ganhou um novo significado nas antigas construções da Mãe Rússia..
É esta ideologia que muitos insistem em comemorar, ano após ano, na Atalaia.

Tiago Alves

6-0!

Perderam no Vólei, embora com algum mérito, pois deram uma grande resposta à campeã em título, mas acabaram com os luxemburgueses.
Tiago Alves

sábado, setembro 3

Selecções

Portugal estreia-se hoje no Europeu da voleibol frente à Itália. Ainda sem Miguel Maia, que preferiu ir até à praia.

À noite, a equipa de futebol discute quantos golos marcar ao Luxemburgo, com a convicção de que têm de marcar mais do ao Lichtenstein..

Vou vestir a camisola!
Tiago Alves

CRIME! disse ele*

Parece que a capa do Expresso de hoje é muito nociva para o PS nacional e para o PSOE espanhol.
via GLdQL, *de quem o título é copiado.
Tiago Alves

sexta-feira, setembro 2

Francisco José Viegas

De novo na blogoesfera em Origem das Espécies.
Tiago Alves

Katrina - a potência II

Outra coisa que tem merecido amplo destaque pelos nossos telejornais e por alguns blogues é, como referia no outro post, a incapacidade das forças americanas para lidarem com a situação. Não deixa de ser decepcionante ver a maior potência do Mundo, chamada dezenas de vezes a outros locais de catástrofe, numa situação de tal inactividade. Equipas experientes, centenas ou talvez milhares de meios e de pessoas, profissionais do melhor que existirá, todos parados perante a imensa catátrofe humanitária e material. Um país com uma capacidade de intervenção de nível global com dificuldades em lidar com acontecimentos no seu próprio território.
É certo que é estranho, é certo que é espantoso, mas não acho correcto que se use este acontecimento, a exemplo do que já aconteceu aquando do ataque às torres gémeas, para "pôr a nu" as fragilidades da América. Os repórteres dizem com um tom de sublime ironia e até alguma secreta alegria por estarem a ajudar a desmascarar a maior potência da actualidade, não se cansando de dizer que o cenário que vêm é próprio do 3º Mundo, nunca da América. E aproveitam para se lançar sobre as brutais assimetrias sociais, sobre a propaganda e o irrealismo das luzes cinemáticas e televisivas, apontando que este país [os EUA] tem uma taxa de pobreza na ordem dos 25% (superior, imagine-se, a Portugal); este país tem uma educação e serviço de saúde públicos miseráveis. Ao contrário do primeiro comentador desta posta do André Carapinha no 2+2=5, eu não gostei, assim como não acho que a América seja menos merecedora da nossa admiração porque tem, como todos os países, dificuldades de coordenação pública e entraves financeiros e logísticos, pelo que não é nem nunca será fácil reagir perante situações limite como o 11/09 e o Katrina, principalmente quando se dão no nosso solo, com a nossa gente. É muito mais fácil enviar uma data de equipas preparadas para outros locais com a lição estudada, que chegam aonde reina o pânico e com uma palavra de calma e outra de acção esclarecida dão rumo ás coisas. É diferente quando o pânico está em nós, no nosso território. Mesmo assim, acredito que nas próximas horas veremos a situação a estabilizar e a máquina americana a resolver os seus problemas assim como, ano após ano e tragédia após tragédia, tem ajudado a resolver os dos de tantos países espalhados por esse Mundo fora.

Tiago Alves

Katrina - a potência

Acompanhando os desenvolvimentos sobre a tragédia em New Orleans, também eu tenho ficado de boca aberta com a incapacidade de resposta dos meios de socorro Norte Americanos. A tragédia deu-se já há dois dias, foi perfeitamente "prevista" em termos meteorológicos, e logo ai se notou uma descoordenação gritante, com as imagens de uma fuga e pânico desordenado a chegar-nos aos televisores. O pior, porém, ficou para depois, para aqueles que não puderam fugir, que se limitaram (quando o fizeram) a reforçar as suas casas (ou barracões) e colocaram-se nas mãos da Mãe Natureza. O resultado está à vista. Temos homens a dizer que à frente da sua casa passavam dezenas de cadáveres, vemos imagens dramáticas e impressionantes de corpos espalhados, pessoas nos telhados e médicos aflitos, sem capacidade para tratar dos feridos.
Um grande erro da administração foi também sobrestimar a capacidade dos diques e das bombas, a alta tecnologia que permite a New Orleans não submergir. Algo que, mesmo em condições meteorológicas normais, aconteceria caso esta falhasse. Como se pode ver no meu tosco desenho (uma cópia de algo que neu na televisão e que eu tentei reproduzir), esta cidade é uma conquista ao mar e a sua situação é altamente instável pelo que era imperioso existir um plano de evacuação bem elaborado e, porque não, testado. Para além disso, logo que o Katrina se fez anunciar, nada mais havia a fazer do que declarar um estado de alerta total e mobilizar todos os meios para resgatar todos aqueles que não o poderiam fazer pelos seus próprios meios. É incrível que hoje, dois dias depois, chegue a notícia de que não há helicópteros que lancem a areia necessária para reparar o a fissura no dique que, a meu ver, terá sido das principais razões da catástrofe, visto que o furacão em si nem foi assim tão forte, pois o centro desviou-se da cidade. O rombo no dique, que permitiu a entrada do forte Mississipi na cidade, foi sem dúvida, a grande gota de água. E, tal como a reduzida capacidade das bombagens em situações destas, é inadmissível que tal não tenha sido previsto.
Tiago Alves

quinta-feira, setembro 1

Ouvido de passagem

Se Soares ganhar, vai ter de abdicar de um terço da sua reforma.
Tiago Alves

O livro das minhas férias

Ainda não o acabei de ler, mas este livro é uma obra prima.
Não se refugia nas batalhas do Senhor dos Anéis nem na magia "fácil" de Harry Potter. Pelo contrário, entra num mundo totamente novo, onde a magia surge como um conceito totalmente novo: algo mais difícil de controlar, algo desaparecido e não tão fútil e normal. A magia tem intenções.
Além disso, possui uma teia de relacionamentos impossível de seguir com apenas uma passagem, com todos os intervenientes a interligarem-se entre si de uma forma espantosa, assim como uma profunda vertente psicológica que se consubstancia numa muito interessante evolução das várias personalidades, nomeadamente dos magos principais, Childermass, Black ou mesmo o cavalheiro do cabelo lanoso.
A não perder.
Tiago Alves

Telescopiando - o candidato do medo

A candidatura presidencial do dr. Soares explica-se com uma palavra: medo. Foi por medo que o PS optou pelo dr. Soares (...) [o PS] não pôde arriscar-se a deixar correr um simples emblema do partido, fosse em versão lírica (Manuel Alegre), ou em versão burocrática (dr. Vitorino). Precisava de um candidato ganhador. Correu assim para o dr. Soares como quem se refugia num bunker. (...) A ideia do dr. Soares não é, ao contrário do que se tem dito, unir as esquerdas, mas explorar os medos da classe política. Mais do que o candidato da esquerda, o dr. Soares vai ser o candidato dos equilíbrios, cumplicidades e rotinas do regime.
(...) uma sua [de Cavaco] Presidência não incomodará apenas o PS, mas toda a classe política – incluíndo os líderes das direitas, que nenhuma garantia têm de que o prof. Cavaco será o “seu” Presidente. Um Presidente Cavaco será impossível de controlar. O dr. Soares espera que o medo dessa Presidência imprevisível o venha a beneficiar.
(...) [se]
a eleição presidencial transformar-se num insípido concurso para o lugar de gestor dos consensos do regime, o “fixe” dr. Soares terá vantagem. Pelo contrário, caso o prof. Cavaco ouse assumir frontalmente a crença num reformismo democrático, em choque com o imobilismo do dr. Soares, poderá entusiasmar o eleitorado traído pelo PS e desiludido pela incapacidade dos actuais líderes políticos.
Se quiser ganhar contra o candidato do medo, o prof. Cavaco precisa de mostrar que não tem medo.

Rui Ramos, em mais um artigo no DE
(destaques meus)
Tiago Alves

Beslan - foi há um ano

Tiago Alves